domingo, julho 16, 2017

RESCALDO - COMBATE AOS FOGOS

O trabalho dos bombeiros é sem dúvida meritório. Mesmo se nunca houvessem vítimas, só o facto de trabalharem em condições muito adversas e de estarem a lutar contra fogos cuja origem está em erros de administração do território, já era uma coisa bastante destacável.
Mas ainda falta muita coisa no que diz respeito à coordenação no terreno, pois muitas vezes não se aproveita o conhecimento da realidade local.
Veja-se a reportagem que o Sexta às Nove passou recentemente, sobre os boys colocados pelo PS nos serviços da Protecção Civil. Não tanto a questão da política (com o meu amigo Rui Esteves a dizer que não, não é por nenhuma opção política que houve mudanças no corpo técnico), mas a parte em que os bombeiros foram para a zona do fogo e foram mandados embora pela coordenação.
E recentemente, no Cabeço Santo, quando houve aquele fogo que foi posto na zona de intervenção do Projecto de Conservação, há relatos de alguma descoordenação, pois os bombeiros não deram a devida atenção às pessoas do local.
Mas não é só aqui em Portugal, veja-se o que dizem os bombeiros espanhóis, andaluzes, a propósito de um enorme incêndio que destruiu parcialmente o Parque Nacional de Doñana (link para vídeo do Facebook).

sábado, julho 15, 2017

PAULA REGO - O FILME PARA VER AGORA

A RTP passou esta semana o filme que o filho realizou, e que bem se intitula Paula Rego - Histórias e Segredos. Eu vi e aconselho, muito bem realizado o filme transporta-nos no tempo e dá-nos toda a informação para vermos a obra admirável da Paula Rego com um olhar mais atento ao que está por trás. E leva-nos para os misteriosos mundos daquilo que faz dos artistas geniais pessoas que vão mais além. Fica aqui o link onde depois se pode ver o filme on line. (actualização a 19 de Julho: já não dá para ver on line, este link vai para a sinopse na página RTP). Quem tem Box ainda estará disponível mais um par de dias...
Uma palavra ainda para registar que a RTP está muito melhor, a RTP 2 então está com um nível fora de série, com programação variada, actualizada e bem adaptada aos ritmos actuais. E podermos ver os programas na Box e depois on line, é uma grande vantagem.

quinta-feira, julho 13, 2017

AS VANTAGENS DE QUEM SALVA A TERRA

Ainda com uma forte luz guardada cá dentro, emanada pelas boas memórias de um festival excelente, aqui partilho uma descrição de algumas das vivências em Salvaterra do Extremo, de um blogue de notícias e reportagens diversas (Digital, Inovação, Social e Arte), o SHIFTER. A reportagem, bem ilustrada com muitas fotos, tem o título que dei a este meu texto, e pode ser lida aqui (link para o Shifter).

domingo, julho 09, 2017

BOM DESCANSO NA QUINTA DE S. JOSÉ - PRAIA DE MIRA

Entre a Praia de Mira e a Praia do Poço da Cruz, existe uma Quinta onde se pode encontrar um excelente refúgio. Fica aqui o link (clicar aqui - página do Booking.com) para quem quiser saber mais. E fica uma foto do piquenique que fizemos à chegada, nós os dois e também o nosso cão da Maria Nina, porque para além da boa localização, esta Quinta de S. José permite que as pessoas levem os seus animais consigo. E tem também como ponto positivo, ao pequeno-almoço, servir as compotas e a manteiga sem ser naquelas horríveis e anti-ecológicas embalagens individuais.
Depois deste almoço à sombra e de uma tarde luminosa, veio um fim de tarde tempestuoso, mas no dia seguinte amanheceu fresco e convidativo.

sábado, julho 08, 2017

O EUCALIPTO MATA

Uma mata de eucaliptos é uma coisa boa. Na Austrália, claro, mas noutros países também. Mas eucaliptais sem fim, por todos os lados e sem nenhuma espécie de ordenamento do território podem ter consequências dramáticas, como temos visto ao longo dos últimos anos. Não há dúvidas que o eucalipto é o culpado, mas a pobre árvore não anda por aí a espalhar-se sozinha. Que o diga o Passos Coelho e a sua ministra da Agricultura, a Cristas, que agora, depois de vir chorar lágrimas de crocodilo pelas vítimas mortais, anda aí a pedir a demissão de governantes. Foi ela que não quis ouvir os técnicos e muitos autarcas há uns anos atrás (ler aqui e ouvir aqui), quando por influência dos magnatas das celuloses acabou com a legislação que condicionava a plantação de eucaliptos. Para quem gosta de saber mais sobre a nossa floresta, fica aqui o convite para lerem estas linhas do grande, do enorme Jorge Paiva, que em 2016 reflectia assim sobre incêndios e desertificação no Público (link para artigo - clicar aqui).

segunda-feira, julho 03, 2017

MICHEL WILLIAM - DE MOÇAMBIQUE PARA O SALVA A TERRA E PPL

Depois de ter visto ao vivo naquele espaço mítico que é o Quintal da Fafá, no Festival Salva a Terra, em Salvaterra do Extremo, descobri que este músico está na plataforma PPL a fazer o pedido especial de crowdfunding referido no espectáculo. Para além de nos ter dado boa música, o Michel apresenta com um estilo muito próprio cada uma das músicas, criando um momento de partilha com o público que é algo muito especial e motivador. Fica aqui o pequeno vídeo de apresentação da campanha, se alguém puder dar uma ajuda:

domingo, julho 02, 2017

ASSIMÉTRICO - MÚSICA DO CONIMBRICENSE LUIS PEIXOTO

Um dos CDs oferecidos pela PPL Crowdfunding merece aqui uma referência especial. É este aqui (link para a campanha na plataforma PPL). Mas para quem está com mais pressa, partilho aqui uma das músicas publicadas no youtube:

E já agora partilho também mais uma música, mesmo sem imagens a acompanhar... o que parece menos bem no youtube. As imagens do video anterior fizeram-me lembrar uma das minhas frases de eleição: "o melhor de Lisboa são as estações para apanhar os comboios que partem". Para Coimbra, por exemplo.


sábado, julho 01, 2017

PPL CROWDFUNDING OFERECE MÚSICA

Pois foi, um dia destes a plataforma de crowdfunding PPL promoveu um concurso onde oferecia vários CDs e um LP. Tudo sobre essa campanha neste link (clicar aqui). Nós fomos contemplados com uma menção honrosa, e aqui chegaram então todos os trabalhos discográficos fruto de crowdfunding que faziam parte do prémio. Depois de ouvidos e apreciados vão ser oferecidos à Biblioteca Municipal de Vagos, onde ficam disponíveis para outras pessoas que fiquem curiosas e que gostem de música portuguesa (às vezes cantada em inglês...).
Fica também o convite para aderirem a esta plataforma, registando-se num processo simples, e uma vez por semana, ou por mês, ou por ano, contribuírem para o projecto ou causa que vos pareça mais merecedor.

sexta-feira, junho 30, 2017

JOGO DA LÍNGUA NA ANTENA 1

Pela segunda vez participei no Jogo da Língua, respondendo às perguntas feitas pelo telefone e em directo pela Filomena Crespo. Da primeira vez falhei, mas agora acertei, grama é uma palavra masculina apesar de muitas vezes dizermos que são duzentas ou trezentas gramas. E com isso ganhei um livro de Carlos Quevedo, que estreia uma nova chancela do grupo Saída de Emergência (livraria on line - clicar aqui). É o livro "E Deus criou o mundo", e a notícia sobre o seu lançamento na Desassossego encontrei-a aqui na blogosfera (link para o blogue The girl who reads books).

quinta-feira, junho 29, 2017

MAIS MÚSICA - KIKA CARDOSO

E pronto, há que registar aqui também mais uma oferta da Antena 1, um disco de início de carreira de mais uma cantora (mais uma porque aparecem tantos cantores graças aos formatos televisivos de talentos musicais), a Kika Cardoso. É um CD com bastante qualidade, que se ouve muito bem, boa escolha das músicas, muito boa interpretação. Um dos temas está disponível no You Tube:

A Kika Cardoso foi uma das intérpretes de uma das canções que concorreu ao lado da famosa música da Luísa Sobral no Festival da Canção RTP. Para quem não viu aqui estão os Viva la Diva (que também cantaram em português e cuja música também tem uma introdução alongada!!!):


quarta-feira, junho 28, 2017

RÃO KYAO - NOVO DISCO EM 2017

Aventuras da Alma, assim se chama o CD que veio parar à nossa caixa de correio. E é mesmo uma aventura agradável e surpreendente, este trabalho que está pensado e criado como um todo e não como um conjunto de músicas. Aconselhado pelo Malfadado!
Foi oferecido pela Antena 1, num passatempo daqueles em que os primeiros a ligar são contemplados.
Fica aqui um cheirinho:

O Rão Kyao tem uma página biográfica muito boa na Wikipedia (clicar aqui), e bem me lembro de comprar o seu LP "Ao vivo - recorded live in Cascais" ainda não tinha 18 anos. Um disco que ouvi vezes sem conta (e passados tantos anos ainda me lembro do nome de duas músicas: Marta e Com Dedicação), comprado em Coimbra na Nova Almedina, onde a D. Adelina aconselhava sempre discos muito bons a novatos no Jazz, como eu na altura. E descobri uma das músicas deste LP aqui na net, acompanhada com fotos do espectáculo. Nessa época, depois de uns discos virados para a música indiana (o Goa também andou lá por casa) este é o registo de uma breve passagem pelo Jazz mais tradicional, chegando depois o Rão ao Fado interpretado com flautas e saxofones. E na minha memória (e a partir de agora fica registado na internet) está também o momento em que o Rão Kyao, no mítico festival de Vilar de Mouros, em 1982, sobe ao palco com dois músicos indianos e começam a tocar um tema do Goa, mas ele faz sinais para os técnicos de som, repetidas vezes e vai dizendo que não com a cabeça, até que se vira para os músicos e os manda parar de tocar. E ficam os músicos sentados e em pouco mais de meia hora o Rão Kyao toca os temas todos do Goa sem interrupção, ligando-os uns aos outros e no final, debaixo de uma ovação calorosa, vai-se embora com os músicos virando costas ao público, nitidamente chateado.
Mas chega de memórias de momentos malfadados, aqui fica o que descobri na net:

Cascais Jazz 1980 - Rão Kyao from Eu2020 on Vimeo.

segunda-feira, junho 26, 2017

SALVA A TERRA 2017 - SALVATERRA DO EXTREMO RECEBEU ECO-FESTIVAL

Terminou ontem, que já foi hoje, o Salva a Terra. O encerramento foi ao nascer do sol, no "palco pôr do sol", estava eu a terminar o meu curto sono reparador. Mais uma vez este Festival foi um grande acontecimento, com uma mão cheia de músicos que voluntariamente partilharam momentos de grande música com os participantes. Não houve nenhuma enchente, é certo, mas isso também ajudou a que o ambiente que se viveu fosse especial, pois o Salva a Terra não pretende aspirar a um desses festivais massificados e pouco amigos do ambiente.
Mas o Salva a Terra é especial também por todos os outros voluntários que asseguram a organização, desde as próprias gentes de Salvaterra do Extremo (que vale sempre a pena visitar demoradamente e conviver com os simpáticos e prestáveis habitantes) até pessoas que vêm de muito longe para ajudar aqui e ali, ou partilharem saberes em palestras ou oficinas práticas.
Nesta edição não fui de voluntário, inscrevi-me com bilhete e refeições na cantina e acampei na lindíssima zona das tendas. Mas não fui capaz de evitar dar umas ajudas aqui e ali, entre as muitas actividades em que participei. A minha bicicleta eléctrica ajudou-me bastante, nas idas e vindas. Uma pessoa vai ao Salva a Terra e vem de alma cheia, carrega as baterias para um ano inteiro, graças à boa onda que ali se vive. Revi velhas amizades, conheci pessoas extraordinárias, fui tão bem recebido pelas pessoas de Salvaterra que já conhecia e por outras que fiquei a conhecer. Não quero exagerar, mas o Salva a Terra é um acontecimento que não deixa ninguém igual depois de lá viver essa experiência de 4 dias.
Como levei uma carrinha da Quercus que ficou a ajudar no transporte de pessoas e coisas durante o Festival, para além de duas bicicletas e tendas para emprestar, ainda dei boleia a um voluntário de Aveiro, que era a primeira vez que ia participar. O Gonçalo Ramalho tirou uma foto que poeticamente diz muito sobre este Festival tão especial, e que simpaticamente me "emprestou" para publicar. Foi na tarde de Sábado, estávamos ali para os lados da cantina, e viemos todos cá fora ver a beleza de fogo e energia do pôr do sol. Nada de especial para quem viveu no interior, mas muito bonito, e reparei como todo o céu apresentava uma evolução de cores muito especial, isso sim, algo mais raro de ver. Nesta foto revejo aquela lenda dos índios norte-americanos que dizem que quando a nossa mãe Terra estiver em grande perigo, um grupo de guerreiros do arco-íris virão combater e salvar a vida na Terra (Rainbow Warrior - Greenpeace). Nesta foto vejo o fotógrafo português que morreu no atentado com bomba em que o governo francês afundou o Rainbow Warrior, vejo aqueles que ao meu lado, ao longo dos anos, têm denunciado ilegalidades e comportamentos que estragam o ambiente, mas vejo também todos aqueles voluntários, músicos, pessoas de Salvaterra do Extremo, pessoas da Junta de Freguesia, pessoas da Câmara Municipal, pessoas que ali se deslocaram com o seu pequeno negócio, pessoas da Quercus que no passado foram a alma deste Festival, e todos os voluntários que se inscreveram para ajudar a fazer da edição de 2017 algo inesquecível.

domingo, junho 25, 2017

FACEBOOK AINDA EM PAUSA

Pois é, a pausa no meu livrinho das caras amigas está para durar... aqui fica o que ali escrevi no final de Maio:
"É oficial: começa hoje mais um período de férias de FB. Gosto muito de ver aqui as novidades, as coisas da cultura, alguns eventos que aqui vejo ou que aqui divulgo, mas nos próximos tempos não vou ter tempo para isto. Ao mesmo tempo, sempre que aqui venho e vejo tanta coisa a acontecer, fico sempre com esta sensação que é informação a mais com que bombardeamos a nossa existência. E por isso há que fazer férias, por opção. Agora de vez em quando, se calhar um dia, optar por deixar o FB. Uma opção mais radical e difícil, porque muitos contactos ficam apenas por aqui."
A verdade é que para ir para o Salva a Terra acompanhado por um voluntário de Aveiro foi o Facebook que permitiu pesquisar se havia pessoas a pedirem ou a partilharem boleias.

quinta-feira, junho 22, 2017

REPORTAGEM PREPARATÓRIA SALVA A TERRA 2017

A Reconquista, um semanário da região de Castelo Branco que tem marcado a passagem do tempo ao longo de muitos anos, é parceira do Salva a Terra, publicando um suplemento que é distribuído aos participantes deste Festival. Mas fez também esta reportagem em vídeo, onde se fala do que vai acontecer a partir de hoje no Parque Natural do Tejo Internacional.

domingo, junho 18, 2017

AQUI CHOVE CINZA DOS MORTOS CARBONIZADOS

ou

HÁ DIAS EM QUE GOSTAVA DE NÃO TER RAZÃO

Esta manhã, aqui no litoral, continuavam a cair pequenas partículas de cinza, arrastadas pela atmosfera e vindas da tragédia de Pedrógão Grande. Não pude deixar de pensar se uma ou outra partícula não seria das cinzas de uma das muitas vítimas mortais desta tragédia que está a acontecer na zona centro.
Há quantos anos andamos nós, um pequeno grupo de gente que defende activamente o ambiente, a dizer que as monoculturas florestais são um erro? Grandes lições de cientistas como Jorge Paiva e chamadas de atenção de técnicos florestais e de ambiente de nada serviram. No ano passado, apareceram os primeiros autarcas a queixarem-se da legislação da Assunção Cristas (que agora aparece publicamente a chorar lágrimas de crocodilo), que em cima de uma política florestal muito permissiva em relação à eucaliptização, fez uma legislação em que desapareceram toda e qualquer limitação para plantar ainda mais eucaliptos. Fez um grande favor aos seus amigos e certamente grandes financiadores, os grandes industriais das celuloses. Mas prestou um péssimo serviço aos portugueses. E durante muitos anos vamos estar a pagar esta factura, no Verão ou em dias mais quentes e secos, os enormes fogos florestais. Claro que tragédia humana tamanha dificilmente ocorrerá nos próximos tempos, mas os grandes fogos estão para durar.
Fica aqui o convite para verem esta pequena reportagem de gente como eu, que se dedica voluntariamente a contrariar a eucaliptização. É a reportagem da SIC "À Prova de Fogo" (link aqui). E fica o convite para participarem activamente em projectos como este da Quercus Aveiro, no Cabeço Santo. Quem não puder deslocar-se pode sempre contribuir à distância com algum dinheiro, pois os mecenas possibilitam que hajam ferramentas, material de protecção e tantas outras coisas para a malta de trabalho depois executar acções espectaculares.
Escrevo este texto sempre com o João Gama e a Luísa no meu pensamento, pois moram em Pedrógão Grande e ele é um dos grandes técnicos da agricultura que em vários locais tem implementado projectos que vão contra esta onda de eucaliptização. Só espero que os estragos tenham passado ao lado das suas coisas, mas certamente estarão os dois destroçados só com a tragédia toda à sua volta e o sofrimento dos seus amigos dali.



sábado, junho 17, 2017

JORGE PAIVA EM SÉRIE DOCUMENTAL - TRILHO DOS NATURALISTAS

Eu vi na televisão, mas a RTP disponibiliza on line na RTP Play. A série é de apenas 4 episódios, mas tem uma realização algo original, onde temos sempre o Professor Jorge Paiva (o enorme, o inexcedível, o que não tem adjectivos com grau superlativo suficiente) a falar-nos daquilo que adora e que nos ensina a gostar. Sempre que tenho hipótese de assistir a uma conferência do Jorge Paiva lá estou eu. Nunca fui seu aluno, mas invejo as centenas ou milhares que o foram. Conheci-o em Coimbra, nos tempos do GIDC e lá fomos mantendo o contacto. Para quem o conhece, e para quem o quer conhecer finalmente, aqui partilho o link para o primeiro episódio na RTP Play (clicar aqui), sobre Moçambique. E um  mini-trailer disponibilizado no You Tube pela empresa produtora destes episódios.